Bilhões e Lágrimas – A economia brasileira e seus atores

Este foi o momento certo para ler Bilhões e Lágrimas, tanto do ponto de vista da maturidade intelectual, quanto do ponto de vista do momento econômico que estamos vivendo.

O livro é uma coletânea de matérias publicadas entre 2006 e 2013. Todas as matérias são feitas a partir de várias entrevistas com atores da nossa economia: banqueiros (de sucesso e falidos), presidentes do Banco Central e do BNDES, donos e presidentes das maiores empresas nacionais.

A primeira delas é uma matéria que traça o perfil do ex-banqueiro Luiz Cesar Esteves, antigo dono do Pactual. Para minha surpresa, ele era um menino de classe média de São Carlos.  Atualmente moro nessa cidade.

Na adolescência, Luiz Esteves brigou com o pai, um bancário da Caixa, foi morar com a mãe em São Paulo e dedicou a vida a se tornar um banqueiro. Seria uma maneira de se provar melhor que o pai? Não sabemos, o fato é que ele foi um dos banqueiros mais poderosos do País por algum tempo, até falir ou ser enganado pelos sócios (você escolhe a versão que prefere ou até ambas).

A entrevista conta a versão de cada um dos envolvidos. Está na lista de próximos livros, Sonho Grande. Este livro conta a história do ponto de vista dos sócios que ficaram. Lá eles são os heróis. Vai valer a pena contrapor.

Voltando ao livro Bilhões e Lágrimas, em seguida, o livro  traz  uma matéria sobre a vida do banqueiro  Luis Stuhlberger. Dessa vez, um banqueiro bem sucedido. Também um menino de classe média, feio e desengonçado, que se tornou um mito do mercado financeiro. O livro conta o como e o porquê.

Uma opinião pessoal, Luis Stuhlberger parece ter muito mais equilíbrio emocional e uma relação mais estável com a família do que Luiz Esteves. Seria isso uma causa do sucesso ou apenas uma consequência?

Voltando, em seguida, o livro trata de uma matéria que aborda a influência dos fundos de pensão e do BNDES no mercado financeiro brasileiro. Para quem não sabe, o governo controla quase todas as empresas privadas do mercado. Até empresas que você jamais iria imaginar, como as de alimentos, as de plástico e as de celulose.  Bilhões e Lágrimas conta como isso aconteceu e o porquê. Além de explicar o que é um Banco Central, para que ele serve, o que é o Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES)  e a história do sistema bancário brasileiro.

O livro cita que esse controle do mercado pelos fundos é uma tendência global. Para justificar o ponto de vista, referencia o livro norte-americano Os Novos Capitalistas sobre o controle do mercado financeiro americano por fundos de pensão (de empresas privadas). Para mim, a grande diferença é que, nos EUA,  fundos de pensão de empresas PRIVADAS controlam o mercado. Enquanto aqui, são os fundos das empresas ESTATAIS (ou seja, o governo novamente) controla. É muito poder para uma máquina corrupta.

Saindo do sistema bancário, Bilhões e Lágrimas também tem uma reportagem sobre a quebra da Sadia. É revoltante a quantidade de burrices administrativas feita pela diretoria e a possível má fé do governo. A matéria cita um livro da neta do fundador da Sadia, Yara Fontana, chamado Como Fritar as Josefinas. Não resisti.  Já comprei e vou ler em breve.

Logo em seguida, há uma matéria ampla que cobre toda a questão petrolífera e do Pré-Sal. Aliás, por que ninguém fala mais do Pré-Sal? Leia Bilhões e Lágrimas e você entenderá. A matéria faz um explicação clara e sucinta sobre os regimes de concessão de petróleo e te dá todo o contexto da Petrobrás. Muitas coisas da operação Lava Jato ficaram claras depois que li essa matéria.

O livro termina tratando da questão do setor sucroalcooleiro e da Varig, ambos deixados para morrer. Dois episódios revoltantes da nossa História. Para quem se interessa pelo tema produção de álcool, recomendo também o livro A Saga do Álcool de J. Natale Netto.

Não estou aqui falando das falhas de um governo em detrimento do outro. Bilhões e Lágrimas amplia os horizontes para você ver o contexto como um todo. Numa linguagem de baixo calão, você verá que o buraco é muito mais embaixo.

Na introdução de Bilhões e Lágrimas, a autora comenta que nunca pensou em escrever um livro sobre a economia brasileira, mas, num dado momento, a equipe editorial leu todas aquelas matérias juntas e constatou que nossa história econômica, de 2007 a 2013, estava naquelas páginas. Eles só juntaram e deram o título do livro igual ao da sua matéria mais relevante. Afinal, parece que alguns  bilhões vêm sempre acompanhados de muitas lágrimas. 

Boa semana!
Boa leitura a todos!





***Sobre demarcação de terras indígenas, assunto do nosso último post,  na última segunda-feira, foram homologados dois territórios: um em São Paulo e outro em Mato Grosso.  Muito barulho pra pouco!***

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)