Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

Dinah Silveira de Queiroz é uma das oito escritoras imortais da Academia Brasileira de Letras. Ela nasceu em São Paulo em 1911 e faleceu no Rio de Janeiro em 1982. Ela escreveu romances que se consagraram com o grande público por meio de minisséries e novelas. Entre eles, destacam-se: Floradas da Serra e A Muralha.

32ª Edição, 1993.
Floradas da Serra, primeiro livro de Dinah, escrito em 1939, é um romance que se passa em Campos do Jordão (SP), em uma clínica para tratamento de tuberculosos. Floradas da Serra tornou-se filme em 1954 e novela em 1981.

A Muralha, romance escrito, em 1954, para homenagear os 400 anos de São Paulo (Estado de origem da autora). Ele se tornou uma telenovela em 1969 e, no ano 2000, a rede Globo levou a minissérie (51 capítulos) ao ar, alcançando tremendo sucesso.

Outros romances da autora, embora de mesma qualidade, são pouco conhecidos hoje em dia. Por exemplo, poucas pessoas sabem que Dinah Silveira de Queiroz foi uma das primeiras escritoras brasileiras a escrever fantasia. Seu romance, Margarida La Rocque, é considerada uma obra-prima do gênero.
 
Um dos primeiros livros de fantasia da Literatura Brasileira.
Capa da edição de 1991.

Desafio Mulheres na Academia Brasileira de Letras (ABL)

Para o desafio Mulheres na ABL, acabo de reler o livro Daniela e os Invasores. Esse era um dos meus livros favoritos da pré-adolescência. Agora pude relê-lo com olhos mais maduros e apreciar mais o talento da autora.

Capa da edição de 2000.
Assim como A Muralha, Daniela e os Invasores também é um romance histórico. Dessa vez, Dinah queria homenagear a História do Estado onde ela escolheu para viver, o Rio de Janeiro. A autora levou 12 anos fazendo pesquisas históricas para escrever o romance. Quando o livro estava quase finalizado, a autora viajou para a União Soviética (URSS) acompanhando seu marido que era diplomata. Lá ela teve sua obra e seus apontamentos confiscados. Dinah reescreveu o romance de memória e com os poucos apontamentos que lhe restavam, em dois anos.

Daniela e os Invasores é ambientado em 1710, quando a cidade do Rio de Janeiro contava com 12 mil habitantes, durante a primeira invasão francesa. Nas palavras do livro:

Como veem – cidadezinha de nada (nem prestaríamos atenção se ela, hoje, desabrochasse numa visão de litoral, em viagem de barco).

 Embora isso seja pouco conhecido do grande público, a França invadiu o Brasil diversas vezes. O romance só trata da invasão comandada por Duclerc. Em seguida, em 1711, ocorreu outra ainda maior, comandada por Duguay-Trouin (Para saber mais consulte aqui).

Embora A Muralha e Daniela e os Invasores se passem mais ou menos no mesmo período histórico, os dois livros mostram duas faces do Brasil completamente diferentes. A Muralha mostra um Brasil interiorano, caipira, brutal. Enquanto Daniela e os Invasores mostra a capital, a vida sofisticada da metrópole. Segundo a autora, o fato de ela ter sido obrigada a reescrever o livro a ajudou a separar melhor os dois romances, com dois estilos distintos.

Muito obrigada a todos vocês que nos seguem. Por favor, fiquem à vontade para deixar seu comentário, dúvida, crítica ou sugestão. Se você gostou, por favor, curta, compartilhe e/ou curta nossa página no Facebook e ajude a divulgar o nosso trabalho. 


Boas Leituras e Boa Semana!

Comentários

  1. Fiquei curiosa: porque Dinah foi obrigada a reescrever o livro? Era época da Ditadura?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena. O marido dela era diplomata. Numa viagem à URSS (União Soviética), os manuscritos estavam na mala diplomática (que por definição, não deveria ser aberta pelas autoridades). Quando ela abriu a mala, os manuscritos tinham sumido. Não se sabe se tiraram no Brasil ou na URSS.

      Excluir

Postar um comentário

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)

Brasilionários: os Poderosos Chefões do Brasil Moderno

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul