Afinal, o que é literatura erótica? - Parte II

Revista do Sesc: O que torna a literatura erótica uma boa literatura?

Apesar de muito erótico,
o livro não contém termos obscenos.
Prof.ª Dr.ª Eliane Robert Moraes:Não é o grau de obscenidade que define uma boa literatura. Uma boa literatura pode ser superobscena e pode ser ótima. A literatura erótica é avaliada pelos critérios usados para qualquer literatura, pela qualidade do trabalho de elaboração formal que está ali. Se o autor está usando as palavras mais chulas e mais indecentes, isso não tem problema nenhum. Por outro lado, há grandes livros eróticos que não tem uma palavra obscena. Por exemplo, Lolita, de Nabokov, é muito erótico, e não tem uma palavra obscena, então são os modos de trabalhar dos autores.”

Revista do Sesc: Na sua opinião, o sexo tem o poder de ser persuasivo?

Prof.ª Dr.ª Eliane Robert Moraes: “O mundo do sexo é o mundo que está fora do mundo da utilidade. As sociedades contemporâneas tem uma coisa perversa de estabelecer um casamento entre sexo e utilidade. A propaganda e a publicidade se valem muito disso, e inserem o sexo dentro de uma programática de utilidade. Oferecem um repertório pronto de fantasias, como um fast food, com lanches rápidos, mas a alta gastronomia está em outro lugar. O erotismo é algo da ordem da singularidade, e no momento, em que você propõe um modelo, você tira uma descoberta que só pode ser individual. Porém, o sexo tem, em geral, algo da ordem da resistência. O mundo do sexo não é o mundo do trabalho. É um mundo da dilapidação, do dispêndio, em que há perda de energia. Há algo aí da ordem da subversão, e a literatura, quando é boa, quando toca efetivamente nas bases desse mundo, tem essa capacidade subversiva, sim. Apesar disso, hoje há uma saturação do sexo, que foi condenado a uma visibilidade muito grande. Por isso, é legal você trabalhar com a literatura, porque você sai um pouco dessa visibilidade, diferentemente da internet, que te oferece algo pronto. Se o sexo é um mistério que está na nossa origem, não é em meia dúzia de cliques na internet que você vai desvendá-lo.”

Nota do Blog 500 Livros:  

A leitura pode ser enfadonha.
Poucos sabem, mas na verdade o Kama Sutra é um livro religioso hindu escrito por vários autores durante 6 séculos (do ano 400 a.C. até o 600 d.C.).Trata-se de um livro religioso, pois, acreditava-se que o sexo perfeito fosse um dos caminhos para se chegar à santidade. 

Ele é um livro em verso e traduções diretas do sânscrito para o português são desconhecidas. A tradução mais comum é do inglês para o português. Apesar da fama do livro, sua leitura pode ser extremamente enfadonha e desinteressante devido a erros de traduções e diferenças culturais.

Recomendado.
Recomendado.
Para os leitores e leitoras que se interessam pelo tema, recomenda-se a interpretação do Kama Sutra da Alicia Galotti, antiga editora da revista Playboy.

Para os leitores e leitoras que querem ler contos eróticos, recomenda-se começar pelos livros da escritora Anaïs Nin.


Boa leitura!


Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)