O Nome e o Sangue - História dos Primeiros Judeus no Brasil



Evaldo Cabral de Mello é um historiador e diplomata brasileiro, irmão do poeta João Cabral de Melo Neto. O principal foco de interesse das pesquisas de Evaldo é a História da Dominação Holandesa e História dos Judeus no Brasil. Ele é considerado um dos maiores especialistas no assunto. 


Sefaradita é o termo para designar judeus originários de Portugal e da Espanha. Eles provavelmente se estabeleceram nessa região durante o Império Romano e lá viveram relativamente em paz até o século XV.  Eles também são designados pelo nome marrano (pejorativo) e B’nei Anussim (hebraico).


Em 1495, ocorreu o casamento de Dom João II (rei de Portugal) com a princesa Isabel de Espanha. Entre as clausulas do contrato de casamento, estava a total expulsão dos judeus de Portugal. O rei tentou argumentar e defender os sefaraditas, mas foi em vão. Dom João II acabou sendo forçado a assinar um decreto que exigia a conversão ou o desterro dos judeus portugueses até o final do próximo ano, 1496. Muitos judeus se batizaram pro forma e continuaram mantendo sua religião secretamente.  


O Brasil foi descoberto em 1500. Assim como outras colônias portuguesas, tornou-se uma rota de fuga para os judeus portugueses. O livro História dos Portugueses no Malabar descreve uma comunidade grande de judeus portugueses até na Índia nesse mesmo período. Praticamente todos os portugueses que chegaram nos primeiros anos do Descobrimento eram judeus. Alguns deles mantiveram sua religião e sua cultura.



Entre eles, destaca-se a lendária Branca Dias, senhora de engenho do Pernambuco (1515-1558). Além de ser uma das primeiras senhoras de engenho, ela perseguida pela Inquisição por se recusar a se converter ao Cristianismo. Ela foi casada e teve onze filhos biológicos e uma adotiva. Esses meninos deram origem a quase toda população portuguesa do Estado de Pernambuco. Essa ancestral famosa causou grandes transtornos para seus descendentes séculos depois. Por quê? O livro O Nome e o Sangue de Evaldo Cabral de Mello explica. 


Entre 1624 a 1661, a Holanda invadiu e controlou vários estados nordestinos. Para garantir o apoio da população local, os invasores ofereceram liberdade de culto. Inclusive vieram mais judeus sefaraditas (refugiados na Holanda) residir no Brasil. Os colonos ficaram divididos entre judeus (pró invasão holandesa) e cristãos (pró domínio português). Quando Portugal retoma o controle do Nordeste, a situação fica bem difícil para os judeus. Alguns se refugiam na Holanda, outros foram  para os EUA e formam a primeira colônia judaica em Nova Iorque e o centro financeiro de Manhattan. E alguns ficam no Brasil, apesar de tudo.


Muitos dos que ficaram se tornaram ricos. Seus descendentes começaram a desejar fazer parte da nobreza portuguesa. Mas para se tornar nobre, além de ser rico, era necessário comprovar que não era descendente de judeus por nenhum dos quatro avós. Absolutamente ninguém em Pernambuco podia comprovar isso. Aí começaram as falcatruas e as falsificações de documentos. O livro O Nome e o Sangue é uma pesquisa detalhada sobre como isso era feito.


Vale muito a pena ler esse livro. Evaldo Cabral de Mello é uma leitura obrigatória para todos que se interessam por História do Brasil e querem saber  mais do que a versão oficial. 




Boa leitura!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)