O Penitente - Isaac Bashevis Singer



Isaac Bashevis Singer nasceu na Polônia em 1904 e emigrou para os Estados Unidos em 1935. Ganhou o prêmio Nobel de Literatura em 1978. Talvez ele seja o escritor com menor número de páginas escritas a ganhar um Nobel. 

Ele era filho e neto de rabinos, inicialmente, só escrevia em hebraico, depois também em iídiche. Dois idiomas com um vocabulário muito restrito. As obras completas de Singer têm menos páginas que um livro do Thomas Mann (Nobel alemão).

O Penitente é um livro revolucionário de 123 páginas. Ele foi publicado inicialmente em folhetim no jornal Jewish Daily Forward de janeiro a março de 1973. Apesar de já terem se passado mais de 40 anos, o livro aponta os problemas da nossa sociedade e os dramas individuais, como se fosse escrito ontem. Nem o autor concordava com a resposta trazida pelo protagonista, mas, sim, é uma resposta válida.

Assim como os sete laureados com Nobel já citados, O Penitente foi escrito sobre forte influência do Torá (cinco primeiros livros da Bíblia). Singer o considerava sua melhor obra. O protagonista, Joseph Shapiro, é um judeu que sobreviveu a um campo de concentração, emigrou para os Estados Unidos, onde se tornou rico. Ele não era uma pessoa religiosa e vivia uma vida materialista. Mas certos acontecimentos o levam a questionar suas escolhas e buscar a espiritualidade nas raízes judaicas.

O livro tem várias citações que merecem ser reproduzidas aqui.O livro inteiro merece ser reproduzido aqui. Seguem algumas passagens marcantes:

“Às vezes o Mal me diz: "O que acontecerá, Joseph Shapiro, se você morrer e não houver nada depois daqui? Você será uma pilha de sujeira, cego, mudo, uma pedra, uma bolha de lama." Eu o escuto e respondo: "Minha mortalidade não provaria que Deus está morto e que o universo é um acidente físico ou químico. Vejo um plano e uma intenção consciente em todo ser, no homem e nos animais, bem como nos objetos inanimados. A graça de Deus muitas vezes está escondida, mas sua ilimitada sabedoria é vista por todos, mesmo que o chamem de natureza, substância, absoluto ou qualquer outro nome. Creio em Deus, na Sua Providência e na livre determinação do homem. Aceitei o Torá e seus comentários porque tenho certeza que não existe nenhuma escolha melhor. Esta fé continua crescendo o tempo todo dentro de mim.”

**************************

A paixão vem da alma, almas insensíveis não podem amar.

**************************

"É verdade que eles não são mais do que uma pequena minoria, mas grandes ideais nunca se tornaram movimentos de massas."

**************************

“Mesmo que o Torah de Moisés e o Talmude não sejam nada mais que obras de homens, ainda são a mais poderosa barreira contra a perversidade.”

**************************

“Há uma regra, a de que aqueles que enganam outros também enganam a si próprios. Todo mentiroso está convencido de que ele pode ludibriar o mundo inteiro. Na realidade, ele é ludibriado mais do que qualquer um.”

**************************

"Aqueles que tomam dos outros nunca têm o bastante."

**************************

Quando uma pessoa ganha um monte de dinheiro, mas não tem fé, ela começa a se interessar por uma coisa: como acender a todo prazer possível.

Se uma pessoa for ler apenas um livro na vida, ela deve ler A Morte de Ivan Ilich de Liev Tolstoy. 

Se ela se quiser a ler apenas dois livros na vida, deve ler o anterior e O Penitente de Isaac Bashevis Singer.  

Se ela quiser ler apenas três livros na vida, deve ler os dois anteriores e A Leste da Éden de John Steinbeck.

Esse três livros encerram tudo que sabe sobre a alma humana.

Boa leitura!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)