Fragmentados - Neal Shusterman

"A Segunda Guerra Civil, também conhecida como "Guerra de Heartland", foi um conflito longo e sangrento motivado por uma única questão. 
Para acabar com a guerra, uma série de emendas constitucionais, conhecidas como "A Lei da Vida", foram criadas.
 Ela satisfez tanto o exército Pró-Vida como o Pró-Escolha. A Lei da Vida declara que a vida humana não pode ser tocada desde o momento da concepção até que a criança chegue à idade de 13 anos.
 No entanto, entre os 13 e os 18 anos, a mãe ou o pai pode escolher "abortar" retroativamente uma criança... 
Com condição de que a vida da criança não tenha, "tecnicamente", um fim. O processo pelo qual uma criança é ao mesmo tempo eliminada e "mantida viva" é chamado de Fragmentação.
 Agora a Fragmentação é uma prática comum e aceita pela sociedade.”.


Geralmente o que me chama atenção em um livro é a capa. Acho lindas as capas elaboradas, com algum apelo que te faça querer ler aquele livro. Foi o que aconteceu com esse livro. Achei bem misteriosa essa capa, com uma mão em destaque, como que tentando pedir ajuda, tentando impedir que alguém chegue perto.

A fragmentação é tida por muitos como algo bom, pois tudo tem de ser reaproveitado. Para estes, a fragmentação não é a morte, mas a possibilidade de viver em várias pessoas. Um jovem problemático, que não tem "muito a oferecer no futuro", pode ser alguém que virá a salvar muitas vidas. Mãos, pés, rins, dentes, cérebro, tudo vai poder reparar a deficiência de várias pessoas que necessitam reparar uma parte ruim dos seus corpos. A lei obriga que tudo seja aproveitado. Para isso, vários adolescentes são enviados aos campos de colheita - assim são chamados os lugares que recebem os adolescentes para dar prosseguimento às suas fragmentações.

A história é contada em terceira pessoa e tem vários pontos de vista. Mas os principais elementos dessa história são três adolescentes de descendências diferentes: Connor, um jovem rebelde; Risa, uma jovem criada em uma casa estatal e Lev, um menino que teve toda sua criação voltada a lhe preparar para a fragmentação, ele é um dízimo.
Os pais de Connor já não sabiam mais o que fazer com o menino, então chegaram à decisão que o melhor seria fragmentá-lo. Após encontrar os papéis que autorizavam a fragmentação, Connor resolve fugir. Risa é uma jovem criada em uma casa estatal desde o momento em que nasceu, como redução de custos resolvem fragmentar a garota, que obviamente não aceita isso e também aproveita a oportunidade de fugir, enquanto é transferida para o campo de colheita.  Já Lev é um garoto especial, ao menos ele se considera assim. É o 10º filho de uma família bastante religiosa, que entrega 10% de tudo o que consegue, ou seja, ele é o dízimo dos filhos. Uma vez assinada a ordem de fragmentação, não se pode voltar atrás.

"Só porque a lei diz, não significa que é verdade."

Em um momento de muita ação, a vida desses três jovens se cruza e então tem início uma jornada repleta de surpresas, desafios, privações, entre tantas coisas que não permitem que o livro fique na mesmice. Há muitos encontros e desencontros, há nervos à flor da pele...Eles ainda têm de lidar com um jovem que pode ser alguém muito perigoso, pois é alguém manipulador, que pode trazer mais problemas do que os que eles já enfrentam.

Fragmentados foi, de longe, o livro mais diferente que já li. Nunca tinha lido nenhuma distopia, achava que era algo muito viajado e etc., mas me surpreendi com o estilo da leitura! Neal Shusterman conseguiu me prender do início ao fim, com tanta coisa que acontece e te deixa louco de vontade de saber o que vai acontecer. Fiquei muito aflita, torci muito pelos jovens fragmentários, pois acho que ninguém tem o direito de escolher quem deve ser fragmentado ou não. Achei que foi uma crítica muito forte em relação à doação de órgãos, às praticas abusivas que rodeiam algo que deveria ser tão útil para a sociedade. Compra e venda de órgãos, tráfico humano com fins de retirá-los... Po isso que em muitos momentos ficava até difícil separar o que era realidade e o que era ficção, pois dava pra fazer muitas associações ao que acontece bem diante dos nossos olhos.

Eu empolguei um pouco aqui, mas precisava compartilhar isso com vocês! Com certeza indico muito esse livro para quem gosta ou para quem nunca leu uma distopia e acha que não vai gostar. Você vai ter várias reações, vai desejar que gente se dê mal, vai ter pena quando isso acontecer, vai ser pego de surpresa...mas  nada vai ficar a desejar. Garanto que você vai amar esse livro, se permita ser surpreendido com algo tão incrível, que é essa leitura! 

(Texto de autoria de Amanda Pacífico).


Comentários

  1. Muito obrigada pela oportunidade, Isoti! Ficou lindo! Eu precisava dividir algo tão extraordinário com você! Parabéns pelo blog!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)