Diários de Guerra, Muito Além de Anne Frank!

 Na maioria das escolas, nós somos apresentados e, muitas vezes, obrigados a ler o livro Diário de Anne Frank. Não desmerecendo o mérito dessa leitura, o problema é que, como não nos apresentam nenhum outro livro com a mesma temática, muitas pessoas saem da escola achando que este é o único diário de guerra que existe ou que ele é a melhor referência.


Na verdade, existem alguns milhares de obras assim. O Diário de Anne Frank , na verdade, é um livro infantilizado, que sofreu cortes para se adequar aos padrões morais da época e, por isso, é dado nas escolas. Existem muitos outros diários com maior valor histórico, psicológico e até espiritual.

A maioria ainda não foi traduzida para o português. Mas, entre os que foram, destacam-se Etty Hillesum: Uma Vida Interrompida da jovem judia Etty Hillesum, que viveu na Holanda e vai encontrando sua paz espiritual e tranquilidade quanto mais a perseguição aumenta; e Em Busca de um Sentido do psiquiatra judeu Viktor Frankel, que foi mandado para um campo de concentração. Esse livro não é exatamente um diário, mas, sim, um livro de memórias baseado nas suas anotações pessoais. Viktor Frankel, ao contrário da maioria dos outros autores, sobreviveu. Essa experiência fez com que ele criasse uma nova linha de psicanálise e questionasse tudo que Medicina da época acreditava sobre o funcionamento da mente humana. Esses dois livros serão tema de discussão em outros posts.

Como pesquisas relacionadas, o Google nos apresenta outras pessoas que sofreram perseguições e relataram suas experiências em livros. Entre eles, Julius Spier (psicanalista), Simone Weil (filósofa contemporânea de Simone de Beauvoir), Edith Stein (que, apesar de ser de origem judaica, convertera-se ao catolicismo e, recentemente, foi canonizada como o nome de Santa Teresa Benedita da Cruz), Mischa Hillesum (pianista, irmão mais novo da Etty Hillesum) e Primo Levi (sua obra sobre o Holocausto “É isso um homem?” foi traduzida para o português).

Que este post contribua para trazer mais referências, além do óbvio, O Diário de Anne Frank. Uma mesma história pode ser percebida de várias formas por várias pessoas diferentes. Ainda mais quando é uma história polêmica, dolorosa e que envolve vários interesses, como a Segunda Guerra.

Por favor, fiquem à vontade para passar dicas e referências também.

Até nosso próximo encontro!Bom fim de semana a todos!

Comentários

  1. Isotilia, em Junho último visitei Dachau, e a energia do local nos faz ter uma pálida ideia do que ocorreu lá e em outros campos de concentração. Impressionante. Vou seguir essas suas dicas de leitura.

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler "Holocausto Brasileiro" da jornalista investigativa, Daniela Arbex. Apesar de ser um livro que poderia ter mais cuidados em sua edição final, ele nos impacta bastante, pois eu desconhecia totalmente a existência de um campo de concentração em Minas Gerais, que resistiu por todo o seculo XX, sem que quase ninguém se questionasse a respeito. Histórias absurdas, cruéis, vidas interrompidas e violentadas. Um crime pavoroso. Pelo menos nesse aspecto, o Brasil se ombreia com a Alemanha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Valter. Estou muito interessada em ler "Holocausto Brasileiro". Eu o lerei. Mas preciso estar mentalmente preparada.

      Excluir

Postar um comentário

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)