O Mito do Desenvolvimento Econômico - Celso Furtado (Parte II)

O Mito do Desenvolvimento Econômico é uma coleção de quatro palestras do Celso Furtado, que foram apresentadas em universidades do exterior. Em todas elas, o autor explica as origens da concentração de renda nos países subdesenvolvidos. E, pelo que eu entendi, a visão do autor é que isso nunca vai mudar e que é melhor deixar assim.  Embora ele tenha argumentos fortes, confesso que me deixou um pouco decepcionada. Seguem alguns trechos conclusivos:

“Temos assim a prova definitiva de que o desenvolvimento econômico – a ideia deque os povos pobres podem algum dia desfrutar das formas de vida dos atuais povos ricos – é simplesmente irrealizável.”

“Sabemos agora, de forma irrefutável, que as economias da periferia nunca serão desenvolvidas, no sentido de similares às economias que formam o atual centro do sistema capitalista.”


“Mas, como negar que essa ideia (o mito do desenvolvimento) tem sido de grande utilidade para mobilizar os povos da periferia e levá-los a aceitar enormes sacrifícios, para destruição de culturas arcaicas, para explicar e fazer compreender a necessidade de destruir o meio físico, para justificas as formas de dependência que reforçam o caráter predatório do sistema produtivo?”


“Cabe, portanto, afirmar que a ideia de desenvolvimento econômico é simples mito. Graças a ela tem sido possível desviar as atenções da tarefa básica de identificação das necessidades fundamentais da coletividade das possibilidades que abre ao homem o avanço da ciência, para concentrá-las em objetivos abstratos como são os investimentos, as exportações e o crescimento.”

Boa semana a todos!

Comentários

  1. Isotilia, o Comunismo tentou a utopia da igualdade e deu no que deu. Poderia ter dado um pouquinho certo, se a palavra Comunismo não se tornasse sinônimo de Ditadura. E um contra senso : por que a filosofia que foi criada para resgatar os miseráveis, se tornou cruel em TODOS os países onde foi implantada?
    Porque no fundo, no fundo, seja comunista, seja capitalista, o ser humano é a mesma merda : egoísta, egocêntrico, cruel, invejoso, desonesto.
    O Capitalismo é o sistema que mais vem dando certo, mas a que custo? Todo o mundo está se igualando, ou os fossos sociais estão aumentando? O Capitalismo Selvagem não seria uma antítese dos Expurgos Comunistas do Stalin? Podem não mandar os dissidentes morrer na Sibéria, mas vai matando aos poucos o pequeno empreendedor, com a filosofia de máxima concentração e poder.
    Celso Furtado pode tê-la deixado decepcionada, mas ele já antevia uma verdade óbvia: qualquer sistema político ou social no mundo não será completo nunca, se o próprio homem não mudar.
    Se cada um de nós não fizer a sua lição de casa todos os dias, se analisando e se propondo a mudar de verdade, nem Capitalismo, nem Socialismo, nem Comunismo farão a mínima diferença. O Capitalismo sobrevive porque permite que as pessoas sejam livres, enquanto o Comunismo tinha verdadeira fobia de liberdade. Tirando esse fator fundamental (Liberdade), ambos são iguaizinhos, pois foram administrados por homens que carregam falhas de caráter.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)