Mercado Editorial Alemão

 A Alemanha tem uma infraestrutura de publicação extremamente sofisticada e eficiente que atende perfeitamente às necessidades de toda a leitura pública: leitura por prazer, busca de conhecimento e interesses acadêmicos. Possui a segunda maior indústria de livros no mundo com desempenho de mercado geralmente estável.

Fonte: Börsenverein des Deutschen Buchhandels ©Statista 2015

 Além de ser um lugar onde se vendem livros, as livrarias na Alemanha são também um espaço de lazer, nada de espaços apertados lotados de livros, é comum encontrar megalojas que oferecem café, sofás para leitura, espaço infantil, setores de filmes e músicas, além de uma grande variedade de obras em alemão e também em outros idiomas. Na livraria Thalia, por exemplo, é possível encontrar obras de grandes escritores brasileiros como Machado de Assis, Lima Barreto e Aluísio de Azevedo tanto em alemão como em português {veja aqui}.

Livraria Thalia em Karlsruhe.

 A Alemanha adota uma estratégia de preços fixos dos livros desde 1888, que determina o mesmo preço para todos os locais de vendas na Alemanha. Os preços fixos evitam uma luta por preços que - de outro modo - seria vencida pelas livrarias de grandes cadeias. Essa fixaçao de preços é importande para evitar uma situação que tem ocorrido nos EUA e Grã-Bretanha, onde uma guerra de preços resultou em vitória para e-Books {Saiba mais}. 

 Durante uma conferencia anual da Associação do Comercio Livreiro Alemão (Börsenverein) em 2015, o então diretor-geral da associação, Alexander Skipis, declarou: 

 “A Alemanha é uma nação de leitores. Como a segunda maior indústria do livro no mundo, o mercado editorial na Alemanha funciona como um modelo em qualidade e diversidade, e seu desempenho de mercado é geralmente estável. Estamos ansiosos para manter e expandir este estado de coisas . No entanto, nós tememos que as empresas monopolistas como a Amazon continuem a desempenhar a sua posição dominante e abuso do seu poder de mercado ainda mais.” 

 De acordo com a Associação do Comercio Livreiro Alemão, a empresa Amazon é a responsável por pouco mais de 70% do total das vendas de livros on-line. Porém, tem sido alvo de queixas acusando a companhia de práticas de cartel {Veja aqui}. 

 As livrarias do mundo inteiro sofreram com a liderança da Amazon, por isso as alemãs lançaram o próprio e-reader (Tolino) para competir com o Kindle da Amazon.

Fonte: Buchreport; GfK ©Statista 2015 /  Ich bin Tolino!


 As publicações digitais (E-books) se estabeleceram no mercado alemão, mas não são dominantes. As vendas de e-books vem subindo apreciavelmente ocupando 4.3% do volume total de negocios e gerando uma receita de 28,4 milhões de euros em 2014. Em 2014, 79% dos livreiros alemães já ofereciam e-books e /ou e-readers.

 Venda de E-books na Alemanha de 2010 a 2014 (porcentagem do volume total de negócios).

Fonte: Börsenverein des Deutschen Buchhandels ©Statista 2015


Biblioteca de livros digitais da cadeia de livrarias Thalia,  líder de mercado da Alemanha.
Este é um excelente texto da Jaci do blog Literatura Brasileira.

Se você gostou, por favor, comente e compartilhe.

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)