Ética nas Empresas

Em 2014 visitei o Sergipe e  pude conhecer pessoalmente o poeta escritor Márcio Ferreira dos Santos. Ele gentilmente aceitou compartilhar um dos seus textos com nossos leitores.

"Quando falamos de ética, vem logo à nossa mente noções e regras de conduta pré-estabelecidas socialmente, porém, devemos desmistificar essa ideia mediante a complexidade de sua aplicabilidade, pois o que é ético para uma pessoa ou uma cultura nem sempre é para outra. Como saber qual é a correta? Aí entra a ética da convicção e a ética da responsabilidade. Nem sempre elas são a mesma coisa. Nas empresas não é diferente, cada uma possui as suas próprias normas e características que tornam a ética muitas vezes conflitante, e como adaptar ao seu prisma do que é ético ao que a empresa tem como ético? Torna-se notório que essas duas percepções nem sempre se somam, e se assim o fosse seria menos complicada a sua manutenção no cerne corporativo.

            Colocando na equação um país como o Brasil, onde as virtudes são alienáveis e corruptíveis, torna-se uma tarefa hercúlea para a pessoa que tenta se manter ético em detrimento de sua sede de crescimento, e quando tem é muitas vezes visto com desconfiança, pois onde tudo é escuro o que reluz é visto com estranheza, e isso traz um dilema diário para aqueles que tentam adotar uma conduta ética sem desumanizar a sua aplicação.

            Muitas vezes no exercício da função somos obrigados a cometer atos que nem sempre refletem a nossa conduta fora da empresa, é importante que haja uma tentativa por meio dos mesmos de conciliar o ser corporativo e o não corporativo, visto que essa ideia agregaria demasiado valor para ambos e seria sem sombra de dúvida a forma mais acertada para este profissional. E como fazê-lo? É possível discorrer a complexidade, porém, parece ser mais simples do que aparenta . Um exemplo prático é demissão de um funcionário na empresa, você sabe que tem que fazê-lo, porém, é na forma que o faz que pode ser ético ou não, podendo cumprir essa tarefa sem desumanizá-la, conciliando assim a ética empresarial que é a ordem de demitir, com a polidez e humanidade em cumprir a tarefa. E tendo visto isto como exemplo não se torna absurda a noção de que exista uma linha tênue entre ambas."

Aracaju, Sergipe.
Muito obrigada, Márcio! Você gostou? Quer saber mais, conheça o blog Poesia de Ser.

Até nosso próximo encontro, no domingo. Bom fim de semana a todos!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)