Tala Mungongo : Uma lenda Angolana

 Em 2014 estive naquela muvuca que foi a Bienal do Livro. Minha estrategia foi procurar o estandes mais vazios. No caso, os menos cheios eram o de Literatura Angolana e a Biblioteca do Exército. Angola oferecia poltronas e café, me ganhou.



 Lá eu pude conversar com um escritor e um professor de literatura. O professor me recomendou o livro Tala Mungongo do angolano Filipe Correia de Sá. Adquiri o livro sabendo apenas que se tratava de mitologia.


Cordilheira de Talamungongo



 Tala Mungongo é o nome de uma cordilheira no norte de Angola (foto à direita), a palavra vem do verbo kutala (olhar) e mungongo (mundo). 




 O português angolano é bem parecido com o brasileiro e no fim do livro existe uma lista de palavras africanas com suas respectivas traduções, como mata-bicho, que é café da manhã, kimbanda, curandeiro, mukanda, mensagem, entre outros.

 Na estória, todos os membros de um reino ganham o seu passado quando ficam adultos. O passado é um objeto mágico, semelhante à alma de uma pessoa. Todos tem por responsabilidade guardar e cuidar dos seus respectivos passados. Caso um passado se quebre ou seja perdido, a pessoa pode ter sérios problemas.

 Misteriosamente os passados de todas as pessoas estão desaparecendo e o reino está enfraquecendo. As rainhas MBoa, Lêla e Pensala pedem uma audiência com o rei e propõe um plano para salvar o reino, a ideia é dar a mão da princesa Makémaka ao jovem que ganhar um torneio. Mas para participar do torneio, o jovem tem que apresentar o seu passado.





 Os arautos do rei chegam a casa do protagonista, chamado Estamos Juntos. O jovem decide que quer concorrer pela mão da princesa, mas descobre que seu passado também sumiu. Determinado ele parte com seu papagaio, chamado Ninguém, para encontrar o seu passado, conquistar a mão da princesa Makémala e descobrir porque os passados estão desaparecendo.



 A leitura é muito agradável e a estória irreverente e engraçada.  Quero conhecer mais da literatura angola, ainda tão pouco divulgada no Brasil.



Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)