LIVRE-NOS DEUS DE TUDO QUE POSSAMOS NOS HABITUAR! - Breve Sexta-feira de Isaac B. Singer

Isaac Bashevis Singer foi um escritor judeu-americano, laureado com o Nobel em 1978. Nascido na Polônia em 1902 e falecido nos Estados Unidos em 1991, ele era de uma família rabínica, mas preferiu se dedicar a literatura, talvez influenciado por um tio e um irmão (para quem ele dedicou sua obra). Ele escrevia quase exclusivamente em idíche e sobre a temática judaica asquenaze.

A língua idíche deve ser um idioma com muito poucas palavras. Os textos de Singer são muito curtos, muito sucintos, geralmente, pequenos contos. Mas eles apresentam uma profundidade edificante que supera todas as barreiras culturais e religiosas.

Capa do livro O Golem.

Numa conversa, um conhecido me perguntou se eu conhecia um livro chamado O Golem. Eu disse que não e fui procura-lo para ler. Descobri que se tratava de uma famosa lenda judaica, de um rabino que consegue criar um ser vivo a partir do barro. Esse ser é golem. Semelhante a estória de Frankenstein. Existe um filme de 1920, O Golem, como veio ao mundo, que pode ser assistido integralmente no Youtube.



A leitura do conto não me tocou muito. Alguns meses depois, encontrei outro livro do autor, O Penitente, disponível para a troca na biblioteca municipal de minha cidade. Resolvi lê-lo e me apaixonei pelo texto. Talvez seja um dos melhores livros que eu já li. Ele antecipa muitas questões e muitos problemas da sociedade de hoje. Confira o que foi escrito sobre este livro no blog, clicando aqui.



O protagonista de O Penitente se transforma com a leitura de O Caminho dos Justos. Por causa disso, resolvi ler também O Caminho dos Justos. É um livro pesado, escrito há muitos séculos, mas cuja leitura também é edificante. Acho que entendi pouco de tudo que li, mas que essa leitura contribui para me tornar uma pessoa melhor. Confira o que foi escrito sobre este livro no blog, clicando aqui.



Dado o contexto, um dia estava no site Lê Livros, e encontrei o livro Breve Sexta Feira do mesmo autor. Baixei e deixei no meu leitor. Depois de algumas leituras muito pesadas, li Breve Sexta Feira buscando mais paz espiritual. Esse livro é uma coletânea de contos curtos, quase todos com moral de acordo com os princípios judaicos. Um conto do livro foi até adaptado ao teatro, alcançando grande sucesso na Broadway.



De modo geral, a leitura realmente me edificou. Mas agora que leio mais escritoras, percebo o quanto a nossa literatura é repleta de alusões sexistas, que eu nunca tinha percebido antes. Eu achava aquele o modo natural de escrever, mas não é. Isaac Bashevis Singer, dado a época em que ele viveu e o contexto no qual foi educado, comete vários desses deslizes.

Mas vou me concentrar em compartilhar apenas algumas citações que considero ótimas:

Como diz o ditado, livre-nos Deus de tudo que possamos nos habituar.”

Mas, como diz o provérbio, as feridas cicatrizam e as palavras permanecem.”

Quando um homem e uma mulher se desejam, seus pensamentos encontram-se e cada um prevê o que o outro fará.”

Existe um provérbio: céu e terra juraram juntos que segredo algum ficará escondido.”

Muitas vezes, no passado, desejei que o impossível acontecesse – e, depois, aconteceu. Mas embora meu desejo se realizasse, o processo era tão confuso, tão desordenado que, no meu entender, o Oculto tentava mostrar-me que eu não compreendia minhas próprias necessidades.

Muito obrigada aos leitores e leitoras que acompanham o nosso blog. Por favor, fiquem à vontade para deixar suas críticas, comentários e sugestões. Alguém já leu outro livro do Singer? Qual? Acompanhe também pela nossa página no Facebook.


Boa Semana! Boas Leituras!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)