SOY LATINO AMÉRICA! - TAL Y GABRIELA MISTRAL

A TAL – Televisão América Latina é uma rede de intercâmbio de produções audiovisuais do nosso continente. O site compartilha documentários, séries e curtas. Ele foi criado em 2003 (quase 14 anos) e conta com um imenso acervo.

LITERATURA

Na aba vídeos do site da TAL, é possível escolher por temas. Entre eles, literatura. Em português, há documentários sobre os escritores, Carlos Drummond de Andrade, Paulo Coelho, Lima Barreto, Graciliano Ramos, José de Alencar, Guimarães Rosa, José Lins do Rego, João Cabral de Mello Neto, entre outros. O blog destaca dois documentários sobre as autoras imortais da Academia Brasileira de Letras (ABL), Rachel de Queiroz e Lygia Fagundes Telles.

VÍDEO CLIPES E MÚSICA

A Tal promove vários concursos e dá vários prêmios. Entre eles, um que premiou os melhores videoclipes independentes. Foram premiados os vídeos:

1. Música: Tu Tranquilidad (Metal Rock) – Artista: Coxis – País: Colômbia



2. Música: Like I do (Pop Rock) – Artista: Treboles – País: Chile



3. Música: Cigarras (Pop Rock) – Artista: Forfun – País: Brasil


Recomendação do blog pela mensagem da letra, Música: Quem vai, vai – Artista: Forfun



POR LA HUMANIDAD FUTURA – GABRIELA MISTRAL

Tive o prazer de terminar a leitura do livro Por la Humanidad Futura (Pela Humanidade Futura) da escritora Gabriela Mistral. A escritora chilena foi laureada com o Nobel em 1945. Até hoje, ela é a única mulher latino-americana a ganhar a premiação máxima da Literatura.

Assim como “Pablo Neruda” é pseudônimo de Ricardo Elíecer Neftalí Reyes Basoalto, “Gabriela Mistral” é um pseudônimo de Lucila de Maria del Perpetuo Socorro Godoy Alcayaga. Os chilenos gostam de nomes grandes! Uma busca na internet por livros da autora traduzidos para o português, só resultou no livro Antologia Poética, uma coleção de poemas traduzido por Fernando Pinto do Amaral e publicado em 2002. Está na lista de desejados. Alguém conhece alguma outra obra traduzida?

Obra de Gabriela Mistral traduzida para o português
e publicada em 2002.

O livro Por La Humanidad Futura é uma coletânea de escritos políticos. Segundo o prefácio, Gabriela escreveu mais de 700 escritos políticos. Alguns se perderam e outros foram publicados agora, pela primeira vez, na forma de livro.

MAS, AFINAL, QUEM FOI GABRIELA MISTRAL?

Gabriela Mistral deixou a escola muito cedo, por não se concordar com a pedagogia da época. Ela passou a estudar em casa e se dedicou ao ensino. Durante toda a sua vida, ela se considerou pedagoga e ajudou em programas de alfabetização em vários países da América Latina. O primeiro artigo do livro narra a criação de uma escola rural bem-sucedida no México.

Gabriela, pelos seus textos, parece ser muito católica. Ela tem uma visão do papel de homens e mulheres alinhada a sua época e sua sociedade, mas que hoje parecem conservadoras. Por exemplo, ela acreditava que as mulheres devessem trabalhar, sim, mas apenas naquelas profissões que estavam alinhadas com seus dons naturais, como a Pedagogia (talvez porque ela fosse pedagoga) e a Medicina (sim, a Medicina, porque na visão da autora, cuidar e tratar doenças era um dom feminino). Por outro lado, ela acreditava que homens não deveria exercer essas profissões para não se “decaírem”.

Na semana que vem, estarei numa viagem a trabalho à Atenas, capital da Grécia, indo por Amsterdã (Países Baixos) e voltando por Paris (França). Por isso, o post desta semana foi divido em dois. Semana que vem, será publicada uma continuação sobre a vida de Gabriela Mistral.


Boa Semana! Boas Leituras!


Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)