Resiliência!

Por favor, assista o vídeo abaixo. Essa espécie de gansos selvagens faz com que seus filhotes pulem do abismo. Os pais esperam por eles lá embaixo.



Isso é resiliência!

 Um conceito que veio da engenharia:

“Propriedade que alguns corpos apresentam de retornar a forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica.”

Por exemplo, um travesseiro. Quando deitamos sobre um travesseiro, deixamos a marca de nossa cabeça nele. Ou seja, deformamos o travesseiro. Alguns minutos depois, a marca da nossa cabeça desaparece. O travesseiro volta a sua forma normal, porque é resiliente. Já, quando amaçamos uma lata de alumínio, ela não retorna a sua forma original facilmente. A latinha possui baixa resiliência.

Na psicologia, o termo resiliência é definido como a capacidade de uma pessoa lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse, catástrofe, etc – sem entrar em surto psicológico. Igual ao nosso gansinho pulando do abismo.

Recentemente li o livro Resiliência: Competência para Enfrentar Situações do professor Paulo Yazigi Sabbag. Ele foi um livro indicado por um antigo orientador e uma aluna de doutorado, que até fez a gentileza de emprestá-lo. Infelizmente não gostei do texto. E é muito desagradável fazer uma crítica. Talvez seja por isso (entre outros motivos), que demorei tanto para escrever no blog. Por favor, desculpem-me pelo “desaparecimento”.

O professor Sabbag criou, durante seu doutorado, o seu próprio método para medir a resiliência em pessoas e empresas. Aparentemente o livro visa a explicar, de uma maneira simples, como desenvolver a resiliência. No final do texto, o autor menciona que seu foco é para homens com formação em exatas.  Talvez seja por isso que eu não gostei da leitura.  Mas o autor poderia ter especificado no primeiro capítulo e me poupado de ler mais de 200 páginas.

A impressão que tive foi que o texto ficou entre algo acadêmico e livro de autoajuda. Ele possui falhas conceituais graves (além de um erro de português a cada duas páginas e erros de lógica que poderiam facilmente ser corrigidos por uma boa revisão da editora Elsevier). Portanto, não pode ser considerado um texto acadêmico. O livro é “chato”. Sua leitura é monótona. O autor faz muitas citações de modo acadêmico, isso torna o texto desagradável. Portanto, o livro também não pode ser considerado autoajuda, porque desanima o leitor.

Não vou entrar em detalhes sobre as demais falhas do texto e preconceitos do autor aqui, porque isso não levaria ao nosso crescimento pessoal. Mas estou disposta a discutir o assunto com leitores interessados. Por favor, fiquem à vontade para deixar seu comentário (ou dúvida), caso queiram.

Em contrapartida, vou recomendar as melhores histórias que já li sobre resiliência:


Em Busca de um Sentido de Viktor E. Frankl. O autor é um psicanalista judeu que passou por um campo de concentração. Ao sair, ele dedicou-se a compreender porque algumas pessoas sobrevivem em condições extremas e outras não. James C. Hunter, autor de O Monge e o Executivo, diz que Em Busca de um Sentido  é a melhor obra que ele já leu na e que o inspira muito. O próprio professor Sabbag cita Frankl em seu livro sobre resiliência;




A Incrível Viagem de Schackleton: A mais extraordinária aventura de todos os tempos do jornalista Alfred Lansing. O título original desse livro é Endurance, o nome do navio do capitão Schackleton, que também pode ser traduzido como “Garra”. Quem batizou o navio, com certeza, foi um vidente. Pois a tripulação manifestou uma garra sem paralelo no mundo. No começo do século XX, eles ficaram presos entre duas banquisas de gelo na Antártida até que seu barco foi completamente destruído. Eles passaram a viver em banquisas de gelo, quase sem comida e sem nenhum contato com o mundo exterior por anos. Isso mesmo, anos.  E ninguém morreu. Além de resiliência, esse livro é considerado um tratado sobre liderança;

Quando Coisas Ruins acontecem às Pessoas Boas de Harold S. Kushner. Esse livro trata da superação de um pai que perdeu seu filho de maneira muito injusta e dolorosa. Clique aqui para ler mais comentário sobre este livro no blog.




Muito obrigado a todos(as) vocês que nos leem.  Por motivos de força maior, nossos posts passarão a ter uma frequência semanal nos próximos meses. Agradecemos sua compreensão.


Boas leituras! Bom fim de semana!


Feliz Dia dos Namorados!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)