Louise e Alexandra : Elas viajaram SOZINHAS

Na última semana, foi muito comentado nas mídias sociais o assassinato de duas jovens. Elas eram turistas argentinas no Equador. E foram brutalmente assassinadas por terem se negado a fazer sexo com seus algozes. No entanto, o que gerou polêmica foi a impressa noticiar que elas viajavam sozinhas. Se elas estavam em duas, como podiam estar sozinhas? Faltava o quê? Ainda que elas estivessem de fato viajando sozinhas, isso é justificativa para um crime tão bárbaro?

Pensando nisso e em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, selecionei dois livros de mulheres destemidas que, de fato, viajaram SOZINHAS.

1. Amazônia, A Viagem Quase Impossível de Louise Sutherland (1978)

Título original, I follow de wind, Eu sigo o vento. Louise Sutherland foi uma enfermeira neozelandesa apaixonada por ciclismo.

Um dos meus livros favoritos.
Não dou, não vendo, não empresto.
Desde jovem, começou a pedalar longas distâncias. Em 1978, durante a Ditadura Militar, ela leu notícias sobre a inauguração da rodovia Transamazônica e resolveu percorrê-la de bicicleta, sem apoio técnico, sem financiamento e sem falar português. É uma rota de 4.223 km.

Essa façanha só foi repetida pelo ciclista inglês Freddie Flintoff em 2014. Ou seja, a viagem SOZINHA de Louise Sutherland permaneceu insuperável por 38 anos.

Louise era uma personalidade única. Em seu livro, ela conta seu contato com a população ribeirinha e o esforço e o carinho de todos eles para ajudá-la em sua viagem. Grata por tamanho acolhimento, após a viagem, ela vai a Europa e busca fundos para proporcionar tratamento médico àquelas populações. Ela nunca ganhou um centavo por seu livro. Tudo foi revertido para os ribeirinhos.

2. Viagem ao Tibete de Alexandra David-Néel (1912)

Livro de Alexandra sobre sua jornada.
Alexandra David-Néel começou a se interessar por estudos orientais na faculdade. Ela foi a primeira pessoa a se converter ao budismo na Europa.  Em busca de mais conhecimento, ela parte para o Tibete em 1912 para encontrar o Dalai Lama.  
Em 1911, ocorreu a Revolução Chinesa. Ou seja, Alexandra cruzou a China a pé num dos momentos mais conturbados a História daquele País. Ela foi a primeira pessoa estrangeira a visitar a cidade sagrada de Lhassa. Ela foi a pé SOZINHA da Índia ao Tibete. Essa viagem durou 4 anos, em meio a várias turbulências políticas e atos de violência.

O filme francês J’irai au Pays des Neiges (Eu vou ao País das Neves),  narra essa viagem. Vale muito a pena assisti-lo.

Fatos curiosos sobre Alexandra é que ela era casada. Ela se casou aos 36 anos, com um primo que ela amava desde os 15. Embora ela sempre viajasse SOZINHA, devido ao número de correspondências trocadas, tudo indica que eles foram um casal muito feliz. O marido a incentivava a realizar todo o seu potencial. Algumas pessoas acreditam até que ele fosse o financiador dessas viagens (fato não comprovado, pois Alexandra também era muito rica).
Filme francês sobre
 a viagem de Alexandra.

Outra curiosidade é que ela adotou uma criança no Tibete. Esse menino viveu cerca de oitenta anos e morreu antes de Alexandra, que viveu mais de 100. Com 102 anos, Alexandra renovou o passaporte e foi para Rússia. Diga-se de passagem, SOZINHA.

Por favor, fiquem à vontade para deixar seus comentários. Caso alguém tenha alguma recomendação de livros de .mulheres com viagens audaciosas, por favor, deixe sua recomendação.


Até nosso próximo encontro!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)