Residência na Terra II de Pablo Neruda

 Residência na Terra II
é o segundo volume de uma trilogia poética. Li o primeiro volume, Residência na Terra I , em 2014 e pretendo ler o último, Terceira Residência, em 2016. 

 A obra é de autoria do poeta chileno Pablo Neruda, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura.

 Curiosidade: Pablo Neruda, na verdade, é o pseudônimo de Ricardo Neftai Reyes Basoalto. Ele era fã do poeta tcheco Jan Neruda e, por isso, adotou o seu sobrenome no pseudônimo.

 Esta trilogia tem um estilo surrealista radical muito revolucionário para a época (década de 30). A edição é bilíngue e a tradução é feita pelo poeta brasileiro Paulo Mendes Campos. 

 Devido ao seu simbolismo e metáfora, essa obra é recomendada pela autora de Mulheres que Correm com Lobos.

 Apesar deste não ser o estilo literário que mais leio, confesso que gostei muito de Residência na Terra II. 

 O livro é divido em seis partes. O autor alterna entre poemas escritos com letra normal e poemas escritos em itálico. 

 Um dos textos é dedicado ao poeta espanhol Federico García Lorca, considerado uma das primeiras vítimas da Guerra Civil Espanhola. Outro poema é dedicado a um amigo do autor e tem o título inusitado: Alberto Rojas Jimenéz vem voando. A leitura de ambos é enriquecedora.

 Seguem algumas passagens que chamaram minha atenção:

Um dia sobressai

"Do sonoro saem os números, 
números moribundos e cifras com esterco
raios umedecidos e relâmpagos sujos
Do sonoro, crescendo, quando
a noite sai sozinha, como recente viúva,
como pomba ou papoula ou beijo,
e suas maravilhosas estrelas se dilatam.(...)"

Água Sexual

Rolando em grandes gotas solitárias,
em gotas como dentes,
em espessas gotas de marmelada e sangue,
rolando em grandes gotas,
cai a água,
como um dilacerante rio de vidro,
uma espada em gotas,
cai mordendo,
golpeando o eixo  da simetria, agarrando-se às costuras da    alma,
rompendo coisas abandonadas, empapando o escuro.

É somente um sopro, mais úmido que o pranto, 
um líquido, um suor, um azeite sem nome,
um movimento agudo,
fazendo-se, espessando-se,
cai a água,
em grandes gotas lentas, 
para o seu mar, para o seu seco oceano,
para sua onda sem água.

Vejo verão extenso, e um estertor saindo dum celeiro,
adegas, cigarras,
povoações, estímulos,
quartos, meninas
dormindo com as mãos no coração,
sonhando com bandidos, com incêndios,
vejo navios,
vejo árvores de medula,
eriçadas como gatos raivosos,
vejo sangue, punhais e meias de mulher,
e cabelos de homem,
vejo camas, vejo corredores onde grita uma virgem,
vejo cobertores e órgãos e hotéis. (...)


======================================

 Gostou? Por favor, deixe seu comentário e sugestões.


 Nos próximos post falaremos sobre O Livro da Economia, o livro O Fuzil de Caça do autor japonês Yasushi Inoue, recém traduzido para o português e mais uma entrevista com a livreira e bibliófila de Recife, Amanda Pacífico.

 Até sexta!

Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)