O Andar do Bêbado versus A Lógica do Cisne Branco

 Terminei a leitura de O Andar do Bêbado.

Um livro de divulgação científica sobre como eventos aleatórios norteiam nossas vidas e como não estamos preparados para lidar com eles. Em outubro de 2014 li um livro sobre quase a mesma temática : The Black Swan (em português, a tradução ficou A Lógica do Cisne Negro). Por isso, resolvi comentá-los no mesmo post.

 Ambos são uma boa leitura mesmo para o leitor que não foi um bom aluno de matemática na escola. Pois eles têm uma linguagem simples, os livros são cheios de exemplos da vida real (como esportes, crimes que ficaram famosos, etc) e ricos de comentários hilários.


Ambos começam se baseando no trabalho do psicólogo que ganhou o Prêmio Nobel de Economia, Daniel Kahneman. Por seu trabalho (junto com o falecido Amos Tversky) sobre como os seres humanos interpretam a realidade de maneira irracional (que os prejudica) e como isso afeta a economia.

 O grande insight de Kahneman foi ao fazer um curso de psicologia com instrutores de voos da Força Aérea Israelense. Ele havia preparado uma palestra sobre a importância de elogiar e estimular os alunos de voo, quando um dos instrutores lhe disse que aquela teoria não era verdadeira, pois quando um aluno fazia manobras com perfeição e ele o elogiava, na próxima vez, o aluno ia pior. E, ao contrário, quando um aluno ia terrivelmente mal e ele lhe dava uma bronca, o aluno ia melhor na vez seguinte. Por tanto, não fazia sentido ver o lado positivo e estimular os alunos com elogios.

 Kahneman refletiu longamente sobre a observação do instrutor, que parecia verdadeira. Ao final de alguns estudos e reflexões, o que ele descobriu foi a Tendência de Regressão à Média. Tudo em nossas vidas, tende para uma média. Portanto, quando um aluno tinha um desempenho excepcionalmente bom, ele tinha a tendência de regredir à média, portanto, existia uma grande probabilidade de ele ir pior da próxima vez. O fato de o instrutor elogiá-lo ou não, não fazia a menor diferença. Mas o instrutor achava que por tê-lo elogiado, ele piorara. A recíproca é verdadeira, quando um aluno vai excepcionalmente mal, a tendência estatística é que dá próxima vez, ele vá melhor para se aproximar da média.

 O Andar do Bêbado faz toda uma introdução histórica aos conceitos básicos de probabilidade (teoria dos jogos) e estatística. Coincidentemente estou voltando a estudar estatística para o meu mestrado, então foi muito bom descobrir personagens, como o medieval Quételet, um cara definitivamente muito azarado, e que o conceito de esperança matemática surgiu do cientista Pascal tentarndo convencer as pessoas de que elas deveriam acreditar em Deus! Ou seja, o livro está cheio de histórias que podem enriquecer o repertório das aulas de um professor de exatas.

 Mas se você não é professor, deveria lê-lo porque ele dá sacadas geniais de como interpretamos probabilidade de maneira errônea em nossas vidas, no caso, da eficiência de medicamentos, de exames, de julgamentos e processos, entre outros. Um dos exemplos mais marcantes foi quando o autor recebeu o resultado HIV positivo e seu médico falou que a chance de estar errado erra de 1/10.000. Mas quando ele refez os cálculos da maneira correta (depois de passar um fim de semana do cão), ele viu que na verdade as chances eram de 1/11 de o resultado do teste estar errado (e estava!). Também tem exemplos com mamografia muito interessantes.

O que me pegou nesse livro é que ele bate muito na tecla de que a distribuição normal explica muita coisa (sim, essa ainda é a teoria oficialmente aceita). Embora ele fale que existem muitos negócios que não seguem essa distribuição (como a indústria do cinema, por exemplo). Na minha opinião ele não dá a ênfase necessária. A Lógica do Cisne Negro é quase só sobre o fato de que quase tudo não segue uma distribuição normal e ele propõe um modelo através de matemática de fractais (na minha visão leiga, bem melhor). Este segundo livro foi libertador para mim, nesse aspecto. A minha vivência de 5 anos trabalhando com estatística no mundo real me convenceu de que vivemos nos iludindo com essa tal de distribuição normal.

 Resumindo: os dois livros são muito bons. Se você não tem nenhum conhecimento prévio de probabilidade e estatística, liberte-se lendo O Andar do Bêbado. Se você já sofreu um pouquinho nessa área, liberte-se lendo A Lógica do Cisne Negro.

 Para finalizar deixo aqui passagem de O Andar do Bêbado que defendem ideias fundamentais de A Lógica do Cisne Negro:

É fácil acreditarmos que as ideias que funcionaram eram boas ideias, que os planos bem-sucedidos foram bem projetados, e que as ideias e os planos que não se saíram bem foram mal concebidos. É fácil transformar os mais bem-sucedidos em heróis, olhando com desdém para o resto. Porém, a habilidade não garante conquistas, e as conquistas não são proporcionais à habilidade. Assim, é importante mantermos sempre em mente o outro termo da equação - o papel do acaso.


Como eu disse antes, o mesmo raciocínio se aplica não apenas a jogos, apostas e esportes. Por exemplo, ele nos mostra que se duas empresas competirem diretamente, ou se dois funcionários competirem dentro da mesma empresa, embora possa haver um vencedor e um perdedor a cada trimestre ou ano, precisaríamos manter a comparação ao longo de décadas ou séculos para obter uma resposta confiável quanto a qual empresa ou empregado é de fato melhor. Se, por exemplo, o empregado A for realmente melhor - acabando por vencer, no longo prazo, 60 de cada 100 comparações de desempenho com o empregado B -, numa série mais simples com apenas 5 comparações, o empregado pior ainda vencerá cerca de 1/3 das vezes. É perigoso julgar a capacidade de alguém com base em resultados de curto prazo. 

Comentários

  1. PQP !!! Vai escrever bem assim lá na casa do chapéu... Leio bastante, porém infinitamente menos que você. Minha esposa devora quase 50 livros por ano, 99,9% ficção. Creio que ambos tenhamos um bom nível para expor nossas idéias, mas você me surpreendeu Isotília. Como você escreve bem, de forma clara e objetiva, com as idéias bem encadeadas e o raciocínio bem estruturado. Você sempre nos surpreendia. Agora virei seu fã de uma vez, e lerei esses dois livros. Com certeza. Bjus e parabéns.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

A SIMETRIA OCULTA DO AMOR - BERT HELLINGER

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)