Entre escritores e músicos...

Afinal, saiu o Prêmio Nobel de Literatura e ele foi, pela primeira vez, para um músico, Bob Dylan, pela poesia de suas letras. 

No Brasil, o músico Martinho da Vila concorreu para Academia Brasileira de Letras (ABL) em 2010. Ao contrário do compositor norte-americano, Martinho já escreveu doze livros: dois sobre literatura musical, três infantis, seis romances e uma autobiografia. Na época, o escritor brasileiro perdeu a cadeira na ABL para Paulo Coelho.

Algumas pessoas questionaram o fato de Martinho ser originariamente compositor e não escrito. Segundo elas, isso o deixaria inapto para  à ABL. Depois que Bob Dylan ganhou o Nobel, talvez, os caminhos fiquem mais livres para esse tipo de artista que não se limita a uma só arte.

Outra artista que possibilitou essa transição da poesia para a música foi a poetisa paulista Hilda Hilts. Nos últimos anos de sua vida, o compositor Zeca Baleiro musicou os poemas De Ariana para Dionísio. Além disso, Zeca convidou cantoras brasileiras para gravar os poemas de Hilda. Assim surgiu um dos mais lindos álbuns da nossa música: Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé – De Ariana para Dionísio. É possível escutá-lo no Youtube.



Para quem pensa que o mercado audiovisual já tem seus próprios lobbies, diferentes dos do mercado editorial, portanto, que um prêmio de literatura não deveria ser dado a um músico... Existem outros prêmios de igual relevância que vale a pena acompanhar. O site da Revista Pessoa, por exemplo, lista os maiores prêmios da língua portuguesa.

Entre esses prêmios, destaca-se o Prêmio Sophia de Mello Breyner Andresen da Ilha da Madeira. O poeta Manoel de Barros, assunto de nosso último post, foi honrado com essa premiação. 

Mas quem foi Sophia Andresen? Muito menos lida no Brasil do que seu filho Miguel Sousa Tavares (autor do romance Equador), Sophia Andresen foi uma poetisa e intelectual portuguesa. Embora de princípios e ideais conversadores, católica e monarquista, ela lutou contra ditadura em Portugal, denunciando o ditador Salazar e seus seguidores.

Para finalizar, fica um lindo poema da autora, que por sua melodia, não deixa de ser uma música:

Esta Gente

"Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre*

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo."

*milhafre é uma ave de rapina. Confira na Wikipédia.

Bom domingo! 
Boa semana a todos (as)!




Comentários

POSTS MAIS LIDOS

Psicologia Feminina: A Necessidade Neurótica de Amor

Éramos Seis, Irene Ravache, Moçambique e Angola

O Caminho dos Justos – Moshe Chaim Luzzatto

Daniela e os Invasores - Dinah Silveira de Queiroz

A Personalidade Neurótica de Nosso Tempo - Karen Horney

"Sei que muitas vezes eu mesmo fui um obstáculo no meu caminho, mas isso acabou"

Como acabei perdendo meu coração - Doris Lessing (Nobel de Literatura em 2007)

Brasilionários: os Poderosos Chefões do Brasil Moderno

Diamante banhado em sangue, a história do Estrela do Sul